Pular para o conteúdo principal

O direito do amor injusto (Conto)


Rafael era jovem ainda, pele branca e rosto coberto de barba, cabelos escuros como os olhos e fala mansa como o olhar. Acariciava o queixo redondo quando estava pensativo, e escondia os olhos ao sorrir. Toda a beleza suave e alucinante daquele brilhante advogado de 37 anos era surpreendente, e fisgou Carolina, uma professora que tinha a mesma idade, como uma fera em uma armadilha.
Os dois se conheceram em um restaurante, Carolina estava usando um vestido vermelho radiante. Sozinha. Tão linda, mas tão triste.
— Isso deveria ser um crime — disse o homem perfeito, aparecendo de repente. Carolina levantou o rosto num susto. Estava concentrada contemplado as pequenas bolhas de ar em seu copo com uma bebida gelada.
— Como disse? — respondeu desconcertada com a beleza dele.
— Uma mulher tão bonita como você, aqui sozinha, em uma sexta à noite? Isso é um crime. Posso defender a sua causa.
— Advogado? — ela se deixou levar na conversa suave.
Ele deu um sorriso torto estonteante.
— A seu dispor.
— Professora. Vou precisar — Carolina disse e riu.
Rafael não perguntou por quem ela estava esperando. Sentou-se à mesa ao ser convidado e os dois tiveram um ótimo jantar. Durante as semanas seguintes, os encontros aconteceram regularmente. Parecia ser o início de um relacionamento perfeito, porém Carolina escondia um segredo. Rafael passou a ter um segredo também.
Fabiana era uma adorável moça de apenas 19 anos. Estudante de direito e muito dedicada, estava sempre a procura de estágios, e gostava de falar com o advogado de determinado local para saber como se sentia ali antes que de fato entrasse para estágio. Não tinha outras intenções senão o que permitia a jurisdição de estudante interessada. Rafael, entretanto, ao ver aquela pele mais clara que a sua que contrastava com o preto de cabelos perfeitamente lisos e compridos, e lábios absurdamente vermelhos, esqueceu-se de qualquer lei.
— Olá — disse quando ela se aproximou inocentemente de sua sala. Seus olhos brilharam. Ela era maravilhosamente impecável —. Procurando alguém? Posso ajudar.
— Eu... — sentiu-se envergonhada. Ele era inacreditável — Eu gostaria de falar com o advogado daqui. Sou estudante de Direito e tenho algumas perguntas para fazer a ele ou ela.
— Ótimo. Eu sou o advogado. Meu nome é Rafael Queiroz.
— Fabiana Rodrigues. Muito prazer.
— O prazer é todo meu... Não gostaria de acompanhar-me até minha sala? Seria de todo mais confortável.
— Claro — e sorriu maliciosamente, compreendendo perfeitamente as intenções do sujeito perfeito e se deixando levar por elas.
A sala era de um tamanho razoável, com dois vasos de plantas, um quadro negro cheio de rabiscos e muitos recortes e pôsteres colados nas paredes. A escrivaninha estava arrumada, apesar de abarrotada de livros e papéis. Fabiana sentou em uma das duas cadeiras para clientes. Rafael sentou-se em sua cadeira gigante de couro.
— E então, o que deseja saber?
— Especificamente, tudo — ela sorriu e dobrou as pernas. Trajava um vestido curtíssimo verde escuro e uma jaqueta preta por cima.
— Acho que você será uma ótima advogada.
— Como pode saber? — ela fazia charme ao jogar os cabelos lisos por cima dos ombros — Aliás, estou no terceiro período, ainda.
Rafael sorriu e se inclinou para frente.
— Consigo sentir essas coisas.
— O que mais você consegue sentir?
Ele levantou de sua cadeira e se sentou ao lado da jovem.
— O que você quiser.
Fabiana sentiu a barriga congelar. Sentiu o corpo inteiro tremer quando o advogado se inclinou e a beijou, tocando seu rosto com sua mão áspera. Ela esticou os braços em volta de seu pescoço grosso e bastou isso para que Rafael a carregasse pelos quadris e a colocasse em seu colo. Com a porta trancada, as horas passaram.
Paralelamente Rafael manteve os encontros quentes e os românticos. Por mais que Carolina fosse uma mulher formada e bela, carecia de algo que só Fabiana possuía. Talvez fosse a vitalidade e a fé na vida. Ela ainda não sofrera as desilusões que Carolina já sofrera, como o casamento frustrado que tivera. As noites abrasadoras com Fabiana o aprisionavam mais do que os jantares e passeios, que lhe davam apenas uns beijos de Carolina. Talvez devesse parar de iludi-la.
— Carolina — disse formalmente em um dos jantares chiques.
— Já sei, você tem algo importante a me dizer — a professora adivinhou —, mas vai ter de esperar. Creio que o que eu preciso lhe dizer é mais importante.
— Então tudo bem — Rafael respondeu surpreso —. O que seria?
— Vamos a minha casa. Você verá. Quero que conheça uma pessoa.
O jantar terminou silencioso, assim como a viagem à casa de Carolina. Era cedo da noite ainda. Chegaram à simples casa de professora, que por luxo tinha um jardim coloridíssimo na frente. De frente a porta, Carolina parou e avisou Rafael:
— Eu devia ter lhe contado isso desde a primeira vez que nos encontramos. Espero que me entenda — e abriu a porta.
Os dois entraram, Rafael sentou-se no sofá grande e preto, na sala onde tinha uma TV, estante com livros, uma mesinha de centro e um tapete exótico no chão. Um pequeno e simples lustre iluminava a sala. Carolina sumiu dentro da casa e Rafael pôs-se a pensar em que segredo ela escondia. E, como faria para terminar essa ilusão, para que a professora não pensasse que fosse por causa de tal segredo, fosse qual fosse?
Os pensamentos profundos de Rafael foram abruptamente cortados ao ver duas pessoas naquela sala que jamais sonharia em ver juntas. O advogado paralisou em um súbito medo. Ficou mudo. Carolina percebeu o susto e tentou se defender:
— Rafael, esta é minha filha, Fabiana.
Fabiana sentia o mesmo medo. Ou quase o mesmo. Era repugnante a ideia de que estava saindo com o mesmo homem com quem a mãe saía, como se fosse seu padrasto. A jovem levou segundos para compreender tudo e pensar qual seria sua próxima palavra. Rafael estava completamente perdido em assombro. Não porque saía com a filha da mulher que namorava, mas porque Fabiana agora tinha conhecimento de quem ele era e do que fazia. E se ela contasse tudo? Mesmo que não fosse apaixonado pela professora como era pela menina, não queria que sua imagem de advogado fosse manchada com um episódio daquele.
— Ah... — ele gaguejou.
— Desculpe Rafael. Eu devia ter lhe contado antes, eu sei. Eu realmente quero que me perdoe. Eu não queria que isso estragasse as coisas entre nós.
— Não por isso... — foi o que conseguiu tartamudear — Mas eu ainda preciso ter aquela conversa com você, Carolina.
Fabiana lhe enviava um olhar que ele não podia decifrar. Rafael perdia-se em loucura por ela, não a queria perder de maneira nenhuma. Cogitava em seu coração a ideia de finalmente se casar, e pensou por um instante que podia ser aquela jovem sua esposa. Mas como estas coisas sucederiam agora que aquela confusão de sentimentos e pessoas familiares estava formada? Sua cabeça girava. Aquele era de fato o pior de todos os casos.
— Claro. Pode ser agora? — e voltou-se a filha — Querida, pode nos deixar um minuto a sós?
Fabiana finalmente tirou seu olhar cravado em Rafael e o direcionou à mãe e não soube o que sentiu. Aqueles lábios finos beijaram os mesmos que ela beijara. Ambas viam aquele homem da mesma maneira. Ela forçou um sorriso e saiu.
Rafael passou a mão pelo rosto e Carolina se sentou ao seu lado.
— Eu sei que é difícil aceitar uma notícia forte como essa, mas...
— Não Carolina. Eu não estou atormentado por causa disso. Eu aceitaria você e sua filha, mas nós não podemos mais ficar juntos. Não por causa dela. Eu acabaria tudo se você tivesse filha ou não. Não é por causa dela, e nem por sua culpa — ele enfim voltou seu olhar a ela —. É aquela velha frase que você pode até não acreditar. O problema sou eu — ele notou as lágrimas dela começarem a brotar —. Você é uma boa pessoa e uma mulher muito bonita, e que merece alguém melhor do que eu. Eu sou um homem mau que não domina a si mesmo, e que deixa corações partidos.
— É outra? Está me deixando por outra mulher? — ela chorava — Fale. Eu vou entender. Agradeço se me contar a verdade.
Rafael suspirou. Soltou o ar dos pulmões com força.
— Sim, desculpe — os olhos brilharam de sinceridade e Carolina notou isso. Deu um sorriso triste.
— Quem é ela, posso saber?
— Não acredito que essa seja uma informação importante. Mas veja pelo lado bom. Se eu sou do tipo que pode facilmente se apaixonar por outra pessoa, tem sorte de que eu prefira terminar tudo a enganar você.
— Tudo bem, Rafael. Então terminamos tudo. Agradeço por sua honestidade. Pode ir. Mas por favor, não volte. Eu agradeceria ao destino se nunca mais nos encontrássemos.
“Gostaria de dizer o mesmo, mas você será minha sogra”, a frase girou na mente de Rafael. Nos meses seguintes, quase um ano depois, Fabiana contou à mãe que estava namorando, e a mãe só poderia conhecer o namorado dali a algum tempo. Carolina estava ansiosa, mas o encontro com o companheiro da filha era sempre adiado.
Fabiana era enfim advogada. Não participara da formatura da faculdade. Ainda estava com o mesmo namorado que a mãe nunca conhecera e desistiu de conhecer. A jovem advogada criou coragem e contou a mãe que ia se casar.
— Mas eu sequer conheço seu namorado!

— Você já o conhece mãe. Aliás, ele é meu marido agora. Casamo-nos e amanhã vou mudar para um apartamento com ele, que ele comprou nos últimos meses. Eu lamento dizer, mas você já o conhece. Lembra-se daquele advogado Rafael?

Mais lidos do mês

#66 Derramei esmalte no meu olho

Esse dia inacreditável aconteceu. A postagem anterior me rendeu um episódio memorável que conto com orgulho e embaraço. Felizmente, a reação da nossa geração frente a qualquer acontecimento, seja bom ou ruim, é tirar foto ou fazer vídeo e colocar na internet. E aqui estão as recordações do dia em que eu derramei esmalte no meu olho:
Bem crianças, eu estava pintando minha unha com Maçã do Amor, da Risqué e, enquanto pintava do dedo anelar direito, o pincel, de alguma forma, caiu pra trás da minha mão com a qual o segurava, bateu a ponta na mesa, e espirram gotas das cerdas que vieram diretamente para o meu pescoço e, óbvio, o meu olho. Eu corri desesperadamente em direção à pia da cozinha porque a do banheiro não está prestando, e gritei. Meu irmão dormia profundamente na sala, mas acordou perguntando "o que aconteceu?", eu falei, e ele "ah tá" e voltou a dormir. Que preocupação.
Voltei pro quarto e fui pegar o esmalte, mas o vidro caiu pra dentro da bacia com água…

Um texto sobre maquiagem

Eu estava vendo alguns blogs e canais de meninas e fiquei feliz por ainda cumprir com meu objetivo: não fazer um blog/canal que siga as imposições do gênero feminino: ser vaidosa, e falar de maquiagem e moda. A vez que falei de roupas aqui, foi sobre as roupas que minha mãe fez... E maquiagem? Não, ainda não.

Mas calma, não tô falando que falar dessas coisas seja ruim, claro que não é. Eu gosto de ler e assistir coisas sobre cabelo e maquiagem, gosto das dicas. Só não acho que nasci pra falar disso. Meu gosto pra essas coisas é específico e não "compartilhável". 
Pra provar que não vejo o menor problema com isso, vou falar nesse post sobre as maquiagens que comprei recentemente e as mudanças que fiz no meu jeito de me maquiar desde que passei a acompanhar a Mari Maria.
Sombras e batom da Quem disse, Berenice? foram meus gastos recentes mas com muito  orgulho porque a maquiagem é muito boa. Passei a sombra de manhã e ficou até quando cheguei em casa, quase meia noite, sem re…

Como desenhar mãos?

A coisa que as pessoas mais querem saber logo depois da pergunta "existe vida após a morte?" é "como desenhar mãos". A primeira eu não recebo muito, mas no instagram sempre me pedem pra ensinar a desenhar mãos, e assim como a primeira pergunta, essa segunda eu também não sei a resposta... Porém! Nesse exato instante eu criei uma "fórmula", já que eu não tenho técnica alguma para desenhar.

1. Primeira coisa que você precisa fazer é ver como uma mão é! Se você tem pelo menos uma mão, já ajuda bastante. Minha mão não é muito bonita, mas já me serviu muito como referência para qualquer posição de mão que eu quisesse desenhar. Olhe para sua mão analisando-a.

2. Daí eu criei um modelo esquelético para essa mão. Sabe o que é uma palheta? Um negócio que se usa para tocar violão e guitarra? Pois é, desenhe uma palheta e desenhe linhas saindo dela, que vão ser os dedos. Lembre que os dedos tem tamanhos diferentes. O mindinho é menor que o anelar, que é menor que o …

Meninas das cores para download!

Nem sempre o print que a gente tira de um desenho do Instagram fica essas coisas. Pensando nisso, resolvi trazer as ilustrações originais, para quem quiser usar como wallpaper ou etc (que não inclua venda) fazer download:








Espero que tenham gostado e não esqueçam de me seguir no Instagram @lorenaksa pra ver os desenhos que posto.


#62 Como ser uma pessoa fria

Primeiro é preciso que um dia você tenha sido uma pessoa quente, se é que você me entende. Uma pessoa fofinha, esperançosa, cheia de sentimentos e sonhos, que se apaixona e ama, e se entrega de corpo e alma para uma coisa que ela nem entende direito. Aí você vai se machucar profundamente com as pessoas em quem você confiou totalmente e vai ter seus doces sentimentos completamente destruídos, e vai acordar para a vida real. E aí você vai ser mais frio. Vai descobrir, da pior forma, que a vida não é um filme da Disney, que as pessoas não são tão amigáveis e muitas não estão nem aí para os seus sentimentos.


Não estou falando isso porque passei por isso recentemente, até porque não passei. Mas vi alguém passar. E falando sobre isso com alguém que ainda nem conheço (ele sabe, salve Jhonata o/), fiquei pensando (e ele me sugeriu também que escrevesse um texto sobre isso) sobre como mudamos com as coisas que passamos, o que eu julgo natural acontecer, afinal significa que alguma coisa apren…

Um jogo de enigma para meros mortais

O YouTuber Cellbit finalmente voltou com os vídeos de enigma, em que ele joga um joguinho chamado Do Not Believe His Lies (Não acredite nas mentiras dele). Aquele é um puta jogo diíficl, e não tinha pessoa melhor do que ele pra jogar. Se você quiser se sentir burro, assista os vídeos dele.
Felizmente tem um joguinho na Google Play parecido com esse, mas somente no sentido de que você tem que descobrir sozinho como avançar os níveis. A diferença é que absurdamente mais fácil, se comparado com o anterior, mas ainda assim não é tão fácil. O jogo se chama Yellow.

O jogo tem 50 níveis e você tem que descobrir sozinho, como eu já disse, como passar cada nível. Os primeiros são fáceis até, mas depois fica um pouco complicado. O objetivo de cada nível é fazer a tela ficar completamente amarela com os elementos que dispõe na tela. Toca um "uuuh" toda vez que você passa de nível
Sim, eu consegui zerar mas com as dicas que tem no canto da tela e também com a ajuda de uma folha de pape…

O dublador de Jack Sparrow mudou

Assisti Piratas do Caribe: A vingança de Salazar e me deparei com uma coisa que acho horrível: a mudança de um dublador. Sim, eu assisti e assisto filmes dublados. Na primeira respiração de Jack Sparrow eu percebi esse fato que parte meu coração (ou seriam os ouvidos?). Pesquisei e achei uma coisa bem triste, mas calma! O dublador não morreu. Marco Antonio Costa, dublador antes oficial de Jack Sparrow, fez a seguinte postagem no facebook. Coloquei o texto por completo aqui, mas vou deixar o link no final:
Meus amigos e fãs de dublagem, eu venho comunicar que, infelizmente, não dublei o próximo filme da franquia "Piratas do Caribe".  O motivo? Simples. Eu explico. A Disney muitas vezes paga de 20 a 30 vezes mais para atores "Globais" ou mais conhecidos como "Star Talents" para alguns personagens em seus filmes. Quando foram dublar "Procurando Dory", chegaram a pagar 40 vezes mais do que um dublador recebe para dois "Youtubers", pois segun…

Aniversário de Cururupu - MA

A minha cidade natal chega a seus 176 anos de existência. 3 de outubro também é aniversário do meu irmão, e de uma prima minha, e de uma amiga do meu namorado, e mais de outras zilhões de pessoas.

Percebi com isso que não tenho nenhuma foto de Cururupu que eu tenha tirado para postar aqui, céus! Que Cururupuense horrível eu sou, não?

Mas de onde vem o nome Cururupu? A história mais engraçada é que mataram o sapo cururu com uma espingarda. Pu! Entendeu? A mais aceitável é que era um cacique chamado Cururu, morto da mesma maneira, por um português, e a forma que os outros índios espalharam a notícia foi "Cururu pu! Cururu pu!" A verdade eu não sei, mas ambas histórias são engraçadas - menos a parte da morte.

Já faz 4 anos que não moro ali e não tenho a menor vontade de voltar. Não que eu não goste da minha cidade - não é isso. Mas é que eu quero avançar, sabe? Também não quero apodrecer em São Luís.

De qualquer forma, parabéns, Cururupuzinha.


#29 Meus maiores micos

Se eu sou uma pessoa que tem muito azar, é óbvio que pago uns bons micos sempre que posso né? Um exemplo de azar: comprei uma sandália nova e no dia seguinte, na primeira vez que vou usar, o que acontece? Isso mesmo, piso num chiclete. Imagina esse azar somado a micos? Pois é. Vou contar aqui alguns dos piores.
Absorvente Eu estava no retiro da igreja e lá estava o menino por quem eu era apaixonada na época. Ele tava sentado na calçada da escola onde as pessoas se alojavam, e eu passei na frente dele com as minhas coisas (eu ia banhar). Lá cai o absorvente e alguém grita: "Loreeena, caiu aí ó!", BEM NA FRENTE DO MENINO. Eu ajuntei o pacote e então não somente ele, mas todo mundo da igreja sabia que eu estava naqueles dias. Ai que vergonha.
Chamei a pessoa errada Tinha saído de moto com meu pai numa noite, e vi que íamos passar por um grupo de meninas, e nesse meio reconheci de longe uma amiga da escola (pelo menos eu achava que era). Quando passamos por elas gritei, super ent…

Marcadores da Magic Color (resenha)

Como falei no texto dos meus artigos de papelaria, eu comprei um kit de marcadores relativamente caro - uma vez que só vem 12, enquanto os da Faber Castell de 24 cores custa o mesmo preço. Mas aí já temos a diferença. Os marcadores da Magic Color são de álcool, por isso chamados marcadores. Eles são profissionais, e não para crianças, que é o caso da Faber Castell, que são hidrocores ou então canetinhas mesmo, por serem a base de água.
Mas aos interessados em desenho profissional, vamos falar o que eu achei dos marcadores da Magic Color.
Sobre a duração da tinta eu não sei dizer porque uso há pouco tempo. Mas uma ilustradora que sigo disse que eles não duram muito, já fiquei triste :(
Vou usar minha favorite color para fazer o teste.


A outra coisa que notei do pior jeito é que eles borram o lápis. Mas vendo mais vídeos de marcadores, tipo Bic Marking e até mesmo Copic, concluo que a maioria dos marcadores borra o lápis, até mesmo Copic que são os mais caros e melhores do mundo. Fiz o…
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...